Acessibilidade logo

Acessibilidade

bat-papo

Fale com a Prefeitura

  • *Campos obrigatórios
  • Ao iniciar um contato, você concorda com a Política de privacidade

  • ...Ou se preferir

  • Ligue para nós

    Fixo: (77) 3452-4306

  • Ou seja atendido presencialmente

    Segunda à sexta-feira, das 08:00 às 12:00/ 14:00 às 18:00

    Praça Henrique Pereira Donato, 90 Centro

  • Outros meios de contato

Em conformidade com:

Secretaria de Educação

"A educação transforma as pessoas, as pessoas transformam o mundo."

O SECRETÁRIO

 

O Prof. Georgheton Melo Nogueira é graduado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e Mestre em Direito pela Universidade Estácio de Sá (UNESA).


O Prof. Georgheton acumula uma trajetória de inserção em movimentos político-sociais do país. No início dos anos 1990, participou do Programa de Desenvolvimento de Comunidades Indígenas e Ribeirinhas – projeto Pé na Caminhada. Atuou na Reserva Indígena Xacriabá, no Vale do Peruaçu e Rio São Francisco, através da Cáritas Diocesana de Januária e do Conselho Indigenista Missionário (CIMI).
Posteriormente, atuou no Programa de Desenvolvimento de Comunidades Urbanas, e no Centro de Vivência Agroecológica (CEVAE), através da Rede de Intercâmbio de Tecnologias Alternativas, em projeto da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, em parceria com a ONU, através do Fundo Life, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento-PNUD.


Na sequência, ainda pela Rede de Intercâmbio de Tecnologias Alternativas, participou do Programa de Desenvolvimento de Comunidades Rurais, programa financiado pela cooperação alemã e desenvolvido em comunidades rurais da zona da mata mineira, através de parceria com a Associação de Mulheres Rurais de Caratinga, a Organização do Povo que Luta e a Pastoral da Juventude Rural.
No início dos anos 2000, agora pela Cáritas Brasileira Regional Minas Gerais, foi membro da equipe executora do Programa de Gestão Participativa de Recursos Hídricos do Vale do Jequitinhonha, projeto em parceria com o Instituto Mineiro de Gestão das Águas- IGAM, o Ministério do Meio Ambiente, através do PROÁgua, e do Banco Mundial.


A partir da experiência de vida no Vale do Jequitinhonha, decidiu estudar economia no Rio de Janeiro, para onde se mudou. Lá, trabalhou com comunidade urbanas da baixada fluminense e em assentamentos da reforma agrária, através do Instituto de Desenvolvimento e Ação Comunitária, em projetos financiados pelas Cooperações Espanhola e Holandesa.


Anos depois, foi trabalhar como Economista do Centro dos Trabalhadores da Amazônia, onde coordenou a implantação de programa de monitoramento de políticas públicas e assessorou comunidades extrativistas da floresta, através de parcerias com o Conselho Nacional dos Seringueiros, o World Wide Fund for Nature-WWF, a Fundação Moore, Cooperfloresta, Grupo de Produtores Florestais Comunitários e Governo do Estado do Acre.


Mais adiante retorna ao Rio de Janeiro, desta vez como Economista da FIOCRUZ, membro da equipe de implantação do campus Fiocruz Mata Atlântica, atuando em comunidades urbanas da periferia da capital.


Atuou também como consultor para várias organizações do Brasil e exterior em várias regiões do país.


Retornando a Guanambi, no final da primeira década deste século, trabalhou na Secretaria Municipal de Indústria e Comércio, quando coordenou a implantação do Fundo de Aval, voltado para pequenos empreendedores, em parceria com Banco do Nordeste, e na aprovação e implementação da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa.


No mesmo período, ingressou na então Faculdade Guanambi, vindo a assumir a gestão da instituição um ano depois, onde ficaria por 10 anos, deixando a função de Reitor do agora Centro Universitário UNIFG, no início de 2021.